O deserto da vida

Publié le par Boca de Praga

ANGUSTIADO LEVANTEI-ME CEDO DA CAMA E PUS ME A ANDAR EM MEU QUINTAL, PENSANDO EM MINHA AMADA QUE NOITE VEREI A TAL.
PORÉM AO VE-LA, SE VE-LA, NADA FAREI, NADA DIREI. NOSSO ENCONTRO É COMO O DE UM TEMIVEL E DESPREZIVEL DRAGÃO KOMODO COM UMA BELA E ENCANTADORA IGUANA.
A FERA FICA ALI PARADO, PERPLEXO OBSERVANDO, COMTEMPLANDO TAMANHA PERFEIÇÃO;
VIDRADO E OBSECADO POR TAMANHA BELEZA, TAMANHO ENCANTO; E COMPLETAMENTE, LOUCAMENTE, E INTEIRAMENTE APAIXONADO POR UMA PESSOA INCRIVEL, UM SER HUMANO EXTRAORDINARIO, UM SER TÃO PURO, TÃO BOA, TÃO MEIGA, DOCE, SENSIVEL. PORÉM AO LADO DELA VEJO EU UM BELO LAGARTO DA QUAL ELA AMA. ENTÃO ESTE VELHO DRAGÃO QUE PODERIA TER ACABADO COM ELE E NÃO O FEZ E NEM O FARÁ PORQUE NÃO É JUSTO E NEM CORRETO. PÔS SE NOVAMENTE A ANDAR... AINDA PENSANDO EM SUA AMADA... NESTA HORA O SOL DO DESERTO QUEIMA LHE A CABEÇA... E A MORTE BATE A PORTA À PORTA.

Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :

Commenter cet article